“TOP SURGERY” ou CIRURGIA DE REAFIRMAÇÃO DE GÊNERO

 

“TOP SURGERY” ou CIRURGIA DE REAFIRMAÇÃO DE GÊNERO 

       - Mastectomia MASCULINIZADORA -  TÉCNICAS - 

 

Se você é um homem trans, talvez esteja buscando informações sobre este assunto. Cada vez mais falado no meio LGBT, este tema tem sido debatido de forma recorrente entre os cirurgiões de mama. 

 

O processo transexualizador é uma realidade. E existem algumas etapas (ou degraus, por assim dizer), que o paciente precisa cumprir antes de poder COMPLETAR esta longa transformação.  

 

O tratamento é dividido em duas modalidades: a ambulatorial (acompanhamento psicoterápico e hormonização) e a hospitalar (realização de cirurgias de modificação corporal e acompanhamento pré e pós-operatório).

Para alguns homens transexuais, a cirurgia é um passo natural - e importante para seu senso de identidade. No entanto, muitos optam por não fazer a cirurgia. Pessoas "trans" se relacionam com seus corpos de maneira diferente e precisam fazer escolhas individuais que melhor atendam às suas necessidades.

 

Existem vários termos e denominações que você já deve ter lido - cirurgia de disforia de gênero, cirurgia de afirmação de gênero, transexualizadora e afins. Nenhum deles é mais ou menos correto que outro. São apenas "termos". Uns, utilizados por médicos; outros, pelos próprios pacientes.  O importante é que você compreenda que a ideia maior é conduzir o leitor através deste processo com informações de QUALIDADE. 

 

  • Objetivos da cirurgia: 

 

Os princípios básicos da cirurgia de afirmação de gênero do tórax em homens TRANS são: 

 

- remoção do tecido mamário e do excesso de pele;
- redução e posição adequada do mamilo e aréola;
- eliminação do sulco inframamário 

- minimização de cicatrizes da parede torácica. 

 

Com isto, o objetivo é conferir um aspecto mais masculino ao tórax do paciente, realçando contornos e volume mais adequados ao gênero. Em contrapartida, surgem as cicatrizes (maiores ou menores), decorrentes deste processo. 

 

PRINCIPAIS TÉCNICAS 

 

Existem basicamente 3 técnicas cirúrgicas:

 

  • Técnica SEMI-CIRCULAR (e variações) 
  • Técnica PERIAREOLAR
  • Técnica de mastectomia por DUPLA INCISÃO com enxerto livre da aréola e mamilo; 

 

Todas as outras que você encontrar, são variações do que apresento aqui. 

 

A anatomia das mamas e o formato do tórax é que vão ditar a escolha da melhor técnica para cada paciente, guardadas as preferências e expectativas individuais. 

Em alguns casos, associo lipoaspiração do tórax para melhora do contorno. 

 

- TÉCNICAS CIRÚRGICAS:

 

  • Técnica Semi-circular

 

Apropriado para uma minoria de pacientes, com excesso mínimo de mama, pequeno volume, mínimo excesso de pele e bom tônus de pele.

Tem a vantagem de uma pequena cicatriz bem disfarçada.  

Fig1 . Desenho esquemático da Técnica SEMI-CIRCULAR. 

 

Foto 1.: Paciente com mamas pequenas, submetido a técnica semi-circular.. Pré-operatório (Esquerda); Pós-operatório (Direita)

 

 

  • Técnica Periareolar

Apropriada para pacientes com modesto excesso de mama e volume, com expectativa de que ocorra uma remodelação da pele.

Esta abordagem tem a vantagem de remover o excesso de pele e reposicionar o mamilo. A cicatriz circum-areolar é frequentemente desfavorável, porque múltiplos vetores de tensão causam hipertrofia e alargamento da cicatriz; Enrugamento da pele pode ser frequentemente visto.

 

Fig2 . Desenho esquemático da Técnica PERIAREOLAR. 

 

Foto 2.: Pacientes com mamas pequenas, submetidos a técnica periareolar. Pré-operatório (Esquerda); Pós-operatório (Direita) 

 

  • Técnica de MASTECTOMIA por DUPLA INCISÃO com enxerto livre da aréola e mamilo:

 

Geralmente indicado para pacientes com mamas grandes e ptóticas (“flacidas ou caídas”). Consiste na retirada do CAP (aréola e mamilo) como enxerto de pele de espessura total,  amputação total da mama; enxerto  do  CAP em seu novo local na parede torácica. 

As vantagens da técnica são:  melhor contorno do tórax, excelente exposição e ressecção mais rápida do tecido, além da redução do mamilo, redimensionamento da aréola e reposicionamento. 

As desvantagens são as cicatrizes residuais longas, as alterações pigmentares e sensoriais do CAP e a possibilidade de necrose parcial ou total do enxerto da aréola / mamilo. 

Fig 3.. Desenho esquemático da Técnica de DUPLA INCISÃO

 

Foto 3.: Paciente com mamas pequenas, submetido a técnica de dupla incisão. Pré-operatório (Esquerda); Pós-operatório (Direita).

 

 

QUEM PODE FAZER?? 

 

Requisitos básicos para acesso ao processo Transexualizador:

  • Maior de 18 anos para iniciar processo terapêutico e realizar hormonização;
  • Maior de 21 anos para cirurgias de redesignação sexual, com indicação médica; e
  • Necessidade de avaliações psicológicas e psiquiátricas durante um período de 2 anos, com acompanhamentos e diagnóstico final que pode encaminhar ou não a paciente para a cirurgia tão aguardada.

 

O paciente em processo de redesignação sexual, com a comprovação de que foi "diagnosticado como homem transexual (CID F 64.0),  já pode ter seu nome e gênero alterado em todos os documentos".

 

Os homens transgêneros também podem ter acesso à mastectomia pelo SUS, através do “Processo Transexualizador”, instituído pela Portaria nº 2.803, de novembro de 2013. Para ser encaminhado à mastectomia, o paciente transexual precisa atender aos requisitos (vide acima) estabelecidos pelo Conselho Federal de Medicina e pelo Ministério da Saúde. A pessoa deve ter idade mínima de 21 anos e passar por acompanhamento multiprofissional, com psicólogo, psiquiatra, endocrinologista, assistente social e cirurgião por no mínimo dois anos.

 

Locais em Florianópolis, que oferecem ambulatórios de atenção especializada no processo transexualizador : 

 

Centro de Saúde Campeche Florianópolis/SC

Centro de Saúde Estreito Florianópolis/SC

Centro de Saúde Saco Grande Florianópolis/SC

 

Obrigado por ter chegado até aqui com a leitura. 

 

Espero ter ajudado! 

 

Em caso de dúvidas, entre em contato! 

 

Para maiores informações sobre Políticas Públicas de Saúde para a Comunidade LGBTS+ , acesse: